Novo gigante do varejo eletrônico chega para fazer frente à concorrência

Novo gigante do varejo eletrônico chega para fazer frente à concorrência

A combinação de negócios da B2W, dona dos sites Submarino, Shoptime e Americanas.com, e das Lojas Americanas, empresa que detém participação de Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sucupira, dona de 1.700 lojas no país, dará origem à empresa “Americanas S.A”.

A união é estratégica para concorrer no mercado de varejo com a Amazon, Magazine Luiza e outros sites de comércio eletrônico e dar fôlego para aquisições.

Nos planos, está abrir o capital das Lojas Americanas nos EUA, criando um veículo de controle no exterior, que será chamado de “americanas.inc”.

A proposta de união ainda passará pela aprovação dos acionistas em assembleias gerais extraordinárias, que devem ocorrer no dia 10 de junho de 2021.

As empresas juntas passarão a ter 34 mil funcionários, com mais de 90 milhões de clientes cadastrados e 46 milhões de ativos.

A Lojas Americanas vem acelerando processos de fusões e aquisições. Celebrou acordo com a BR Distribuidora para operar em lojas nos postos de combustível, com a criação de uma nova empresa e, na semana passada, anunciou a compra de 70% das ações do Grupo Uni.co, dono da Imaginarium e da Puket.

As fusões, incorporações e aquisições são provocadas pela alta competitividade do mercado – no caso, o mercado de e-commerce – para propiciar a redução dos gastos e aumento dos lucros.

Estas operações societárias têm consequências e efeitos jurídicos que incidem sobre as empresas e seus credores, e trazem à análise questões cíveis, trabalhistas, societárias, concorrenciais e tributárias.

Gabriella Gaida | Sócia de Di Ciero Advogados

Acompanhe Di Ciero Advogados também no Linkedin /dicieroadvogados


Governo reeditará nova rodada do BEm e do Pronampe

Governo reeditará nova rodada do BEm e do Pronampe

O Governo Federal pretende estabelecer e editar novo Programa de Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) de manutenção do emprego, para evitar que as empresas comecem a demitir pessoal, o que impactaria diretamente na retomada da economia, e restabelecer o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), programa de governo federal destinado ao desenvolvimento das microempresas e empresas de pequeno porte. Como não havia caixa suficiente para o programa, frente aos gastos com a saúde que ainda devem aumentar, o Ministério da Economia propôs ao Congresso Nacional uma mudança na meta fiscal. O Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) n° 2/21, do Poder Executivo, que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para permitir a abertura de crédito extraordinário em 2021. Isso viabilizará a retomada dos programas emergenciais supracitados. O ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou que o governo pode reeditará os programas em um ou dois dias no máximo após a aprovação do PLN. Vamos aguardar!

Gabriella Gaida | Advogada de Di Ciero Advogados

Acompanhe Di Ciero Advogados também no Linkedin /dicieroadvogados